top of page
Search
  • Writer's pictureDenis Kalyshkin

Resumo do livro "GDP: A BRIEF BUT AFFECTIONATE HISTORY"

Resumo do livro "GDP: A BRIEF BUT AFFECTIONATE HISTORY". O conceito de PIB foi introduzido na década de 1940. O PIB foi uma boa medida para o crescimento das economias industriais após a Segunda Guerra Mundial. Agora, muitos países desenvolvidos vivem na era da economia de serviços e da globalização. Isso torna a medição do PIB menos confiável. O crescimento do PIB agora não é um bom indicador de bem-estar social ou sustentabilidade. No entanto, o PIB é uma figura importante, pois o endividamento de um país é tipicamente medido em comparação com ele. Este livro foi publicado em março de 2015.


Do século XVIII aos anos 1930


O PIB foi inventado durante a Segunda Guerra Mundial. Um cientista britânico, William Petty, foi o primeiro a introduzir estatísticas para estimar os recursos do país para financiar uma guerra em potencial em 1665. Ele também foi o primeiro a introduzir o método de contabilidade de dupla entrada para um país. Ter tais estatísticas era uma vantagem competitiva para o Reino Unido naquela época. Adam Smith contabilizava apenas as commodities físicas, agricultura e indústria para calcular a renda nacional. A riqueza nacional era a diferença entre o estoque de ativos físicos e a dívida nacional. Adam Smith também afirmava que existiam funcionários produtivos e improdutivos. Por exemplo, um servo não criava nada e era um custo para o empregador. Essa abordagem foi amplamente adotada durante o século XIX. Alfred Marshall foi o primeiro a afirmar que a riqueza consistia em riqueza material e não material. Os serviços foram adicionados ao rendimento nacional. Isso foi em 1890. A Grande Depressão aumentou a necessidade de medir estatísticas para navegar pelas recessões. Inicialmente, o governo desempenhava um papel pequeno na economia, principalmente relacionado a impostos para financiar guerras. Essa é a razão pela qual por séculos o crescimento econômico foi rastreado apenas para o setor privado. No entanto, no século XX, os governos desempenharam um papel mais significativo, por isso seu efeito foi adicionado à equação. O conceito de PIB foi útil durante o período de recuperação após a Segunda Guerra Mundial, uma vez que todos os recursos estavam limitados no mundo pós-guerra.


A natureza do PIB


A definição exata do PIB é bastante sofisticada, pois deve levar em conta muitas coisas e empregar métodos estatísticos sofisticados. Por exemplo, é mais difícil medir a produção de serviços em comparação com a produção de um trator.


O PIB pode ser medido de 3 maneiras:


1. Abordagem do valor agregado = Produção bruta [vendas brutas - mudança nos estoques] - insumos intermediários


2. Abordagem do rendimento = Remuneração + Renda de aluguel + Lucros + Impostos sobre a produção e importação - Subsídios + Juros + Depreciação


3. Abordagem da demanda final = Consumo de bens e serviços finais pelos domicílios + Investimento em plantas, equipamentos e software + Despesas do governo (excluindo transferências para assistência social ou pensões) + Exportações - Importações


Em teoria, todos os gastos na economia são iguais a todos os rendimentos na economia de um país, mas na realidade vemos constantemente discrepâncias. Se o PIB nominal cresce devido à inflação, isso é um sinal ruim. Por esse motivo, os economistas calculam o índice de preços geral (o deflator do PIB) para comparar o PIB para diferentes anos nos preços de um determinado ano.


Era de ouro de 1945-1975


O mundo após a Segunda Guerra Mundial estava em ruínas, mas ao contrário do que aconteceu depois da Primeira Guerra Mundial, os vencedores não impuseram reparações enormes e criaram instituições internacionais para ajudar e apoiar os países pobres. Hoje, o Banco Mundial publica comparações do PIB para os países e a economia global. Mas após a guerra, o papel do PIB foi crucial para orientar os governos em sua jornada para recuperar seus países. Isso levou a 30 anos de crescimento, baixos índices de inflação e taxas de desemprego. Como o PIB não leva em conta os ativos acumulados, era natural que ele crescesse após a guerra, porque todos os países estavam reconstruindo a infraestrutura destruída. Os economistas acreditam que os principais impulsionadores do crescimento foram a disponibilidade de recursos (principalmente mão de obra e capital) e melhorias no uso desses recursos (progresso técnico). O aumento do nível educacional da força de trabalho também foi de extrema importância. Inovações militares também foram aplicadas ativamente para fins civis. O aumento da renda da população em geral impulsionou o crescimento do consumo.


Crise do capitalismo na década de 1970


Na década de 1970, o capitalismo enfrentou problemas por várias razões:


1. As economias mudaram de um crescimento forte para um crescimento estável ou até mesmo recessão combinada com inflação alta e acelerada (estagflação). A OPEP aumentou dramaticamente os preços do petróleo em 1973 e 1975, o que tornou a recessão inevitável.


2. A intensidade da Guerra Fria exerceu pressão sobre as economias, uma vez que os países ocidentais não sabiam o quão ruins as coisas na URSS realmente estavam.


3. Surgimento do movimento ambientalista que afirmava que todos os recursos seriam esgotados até 2070. Os debates políticos sobre sustentabilidade exerceram pressão sobre a economia.


4. Países em desenvolvimento que haviam se libertado da colonização há 10-20 anos e recebido considerável ajuda dos países desenvolvidos. No entanto, eles não estavam crescendo rapidamente devido à corrupção e guerras por procuração.


Entre 1950 e 1969, ocorreu um crescimento imenso e uma melhoria nos padrões de vida nos países desenvolvidos. As taxas de desemprego variavam entre 0,5% e 4%. Muitas doenças se tornaram curáveis, muitas invenções foram introduzidas, serviços como viagens aéreas se tornaram acessíveis a uma ampla audiência. A juventude protestava e lutava contra a polícia não por causa da pobreza, mas por uma próspera confortável. O problema era que os governos usavam estímulos para o crescimento da economia com muita frequência para evitar crises, esgotando assim essa alavanca. Toda uma geração tinha certeza de um crescimento constante e sempre ter um emprego. Os salários sempre cresciam. No entanto, em 1975, o Reino Unido experimentou uma inflação de 25% com quase nenhum crescimento do PIB, enquanto os EUA enfrentaram uma inflação de 10%+ e recuo do PIB.


Entre 1945 e 1970, o PIB global triplicou e a população cresceu de 2,5 bilhões para 4 bilhões. Isso também levou a um crescente movimento ambientalista nos países desenvolvidos. As pessoas nesses países começaram a viver melhor, com a capacidade de refletir sobre questões ambientais em vez de lutar para encontrar comida.


O novo paradigma até 2005


A transformação de Reagan-Thatcher nos EUA e no Reino Unido foi uma resposta à crise do capitalismo na década de 1970. Foi a era da desregulamentação da economia, privatização de empresas estatais e apoio ao empreendedorismo com foco em estimular a oferta em vez da demanda como era anteriormente. Os governos concentraram-se mais em políticas fiscais em vez de políticas monetárias. Modelos econômicos de crescimento desenvolvidos na década de 1980 e seguintes explicaram a contribuição e a mecânica do impacto da tecnologia na economia. Também foi a era da massificação dos computadores pessoais e da internet. As empresas começaram a usar computadores a partir do meio da década de 1980, mas seu efeito na economia não era óbvio antes dos computadores pessoais em massa. Isso deu origem a uma nova era do capitalismo. O PIB dos EUA diminuiu apenas por 2 trimestres entre 1991 e 2007. A produtividade anual cresceu de 1,38% em 1972-1996 para 2,46% em 1996-2004. Alguns economistas começaram a falar sobre o Novo Paradigma da economia, que não enfrentaria mais crises. A tecnologia também leva à diminuição dos preços. Para ser preciso, os preços aumentaram, mas a qualidade dos produtos cresceu mais rápido (por exemplo, pelo mesmo preço, era possível adquirir um computador mais poderoso).


PIB do século XXI


A crise financeira global levou à reavaliação dos cálculos do setor financeiro para fins de PIB. Por exemplo, o setor financeiro no Reino Unido no quarto trimestre de 2008 contribuiu para o PIB nacional tanto quanto a indústria manufatureira, o que foi estranho dado o colapso do Lehman Brothers nos EUA. O truque é que, em tempos bons, o setor pode correr riscos maiores e relatar lucros maiores. Esses riscos são percebidos durante as recessões.


Em 1987, a Itália mudou sua abordagem de cálculo do PIB e o aumentou em cerca de 20% da noite para o dia, adicionando à economia não oficial (rendimentos estimados de sonegadores de impostos e trabalhadores informais). As economias informais podem ter uma grande parcela do PIB em países emergentes, em países com barreiras regulatórias altas ou em países com alta proporção de empreendedores individuais e autônomos. Por exemplo, a economia informal representava 7% do PIB nos EUA, 20% na Itália, 25% na Grécia e 35-44% em economias mais pobres. Ela está crescendo globalmente devido ao aumento de impostos e restrições na regulamentação do emprego. A produção familiar para uso próprio (cozinhar, limpar o apartamento, cuidar de crianças, cultivar vegetais, etc.) é outra parte importante da economia informal que não é contabilizada no PIB. O tempo dedicado à produção doméstica tem aumentado há décadas. Há discussões em andamento sobre como o PIB deve ser ajustado ou substituído por outras métricas que meçam a felicidade e o impacto da produção na economia.


Os economistas modernos devem lidar com:


1. Complexidade da nova economia, comércio global, etc.

2. Aumento da parcela de economias avançadas com grande participação de serviços e ativos intangíveis.

3. Urgência em lidar com o desenvolvimento sustentável.






5 views0 comments

Comments


Пост: Blog2_Post
bottom of page